domingo, 11 de dezembro de 2016

Dicas para Ter uma Horta Biológica

Este blogue foi criado há pouco mais de 6 anos (já?!) e posso dizer que, graças à sua existência, já aprendi muito, já conheci (virtualmente) tanta gente boa e interessante, visitei locais diferentes, fiz coisas que no início não iria imaginar que faria.
A horta é uma delas. 

Quando comecei o "Ecológica, quem? Eu?", vivia numa cidade e já vivia em cidades há praticamente 20 anos - desde que saí da vila onde nasci, para ir estudar fora, na altura do Secundário. Desde aí, em todas as cidades por onde passei, vivi sempre em apartamentos. Pelas razões óbvias, não cultivava praticamente nada. Apenas no último local onde vivi, consegui cultivar algumas ervas aromáticas, na varanda.

Mas a vida dá muitas voltas e lá vim parar novamente à vila onde nasci. Ao local onde moram os meus familiares e os dele, e onde temos terrenos de cultivo, a maioria deles desaproveitados.
Com o blogue a minha veia ecológica aumentou, bem como a minha consciência ambiental e preocupações de consumo e saúde. E uma vez que temos terrenos e algum tempo livre à disposição, começar a fazer uma horta nossa, sem químicos, totalmente biológica, era uma actividade que tinha toda a lógica iniciar.
(Limão em primeiro plano e lá ao fundo o nosso compostor caseiro)
Começámos aos poucos, perguntando aos familiares e vizinhos, pesquisando na internet e experimentando por nós. Com o tempo, chegámos à conclusão que a maioria das pessoas que conhecíamos não praticava o tipo de cultivo que nós queríamos praticar, pois usam químicos para tudo e mais alguma coisa (adubos, insecticidas, remédios...).
Nós não.
Mas com a nossa perseverança lá conseguimos ter resultados razoáveis. Investigação daqui, experimentação dali, contactos e perguntas através de blogues e páginas, aos poucos vamos aumentando e consolidando o nosso conhecimento em bioagricultura (será que este termo existe?).

E é bom poder partilhar este conhecimento com quem quiser ter também uma horta mais biológica :)
Como o último post da horta trouxe algumas questões da vossa parte, resolvi responder a todas duma só vez e partilhar informação com todos.

O Prego e o Limoeiro - questão da Sofia (via facebook):

Já tínhamos plantado o limoeiro há 3 anos e limões nada. Dava flores e mais flores. Às vezes ainda se formavam limões pequeninos, mas depois caíam sempre. Não tínhamos ainda conseguido apanhar nenhum limão.
Foi nesta caminhada, que, em conversa com o pessoal, nos deram o conselho de "castigarmos o limoeiro", ou seja, pregarmos um prego (que enferruje) na base do tronco ou atar com bastante força um arame grosso (de metal que enferruje) à volta do tronco.


E assim o fizemos. Pregámos um prego no limoeiro e outro na clementineira (que foi plantada no mesmo dia e ainda não deu nada - nem flores, sequer).
Foi remédio santo! Nunca mais o limoeiro deixou cair os seus limões.
Segundo a minha pesquisa,  há pelo menos duas explicações para este fenómeno dar resultado:
1º A árvore ao ser "castigada" pode assumir que está a ser atacada e assim apressa-se a dar frutos para prolongar a espécie;
2º A árvore, ao não dar frutos, é porque não está a conseguir assimilar ferro e, ao espetar-se o prego, vai-se conseguir "alimentar" deste nutriente, logo dar frutos.
Não sei qual é a explicação correcta, ou se estão as duas. O que sei é que já apanhei um limão e estou em vias de apanhar mais uns quantos.

(Quatro limões! - imagem da semana passada)
A clementineira, essa, ainda está preguiçosa, mas parece-me que está para começar a florir :) Pelo menos já se vêem uns borbotos minúsculos na ponta dos ramos. Teremos que esperar para ver.

Engordar alho-francês (também chamado de alho-porro ou poró br.) - questão da Carla (via comentários do blogue)

Já plantei alho-francês nas duas hortas, tanto na do quintal e como na que estamos a cultivar agora. Fazendo a comparação entre o resultado das duas hortas, posso dizer que nesta horta tivemos melhores espécimes.
Na horta do quintal a terra é mais argilosa, logo mais dura, e os alhos-franceses gostam de terras fofas, com poucas pedras, para poderem crescer mais e terem uma parte branca maior.

(Alho-francês do Verão Passado - gordo mas não comprido)
Mas o truque para os alhos-franceses ficarem maiores e terem aquela parte branca do caule mais gorda, é ir cobrindo com mais terra as plantas, à medida que elas crescem. Ou seja, quando os alhos começarem a crescer, vai-se acrescentando terra, repetindo o processo à medida que as plantas crescem (não convém passar de um palmo, no total do processo). Assim, o caule vai alongando e engordando.
Nota: Tem que se ter cuidado para não cobrir as folhas com terra, apenas o caule.

Dicas para cultivar alhos - questão da Nat. (via comentários do blogue)

Não me posso queixar das vezes que semeámos alhos, pois deram sempre. Cada dente posto na terra virou uma cabeça, não ouve nenhuma perda, que me lembre.

Segundo o senhor que nos vendeu os primeiros alhos de semente (comprámos numa feira semanal), eles gostam de terra ruim, para poderem "lutar" com ela. Em pesquisa na internet li sempre o contrário, que gostam de terras ricas em nutrientes e fofas. Semeámos sempre na horta do quintal, de terra argilosa e já desgastada em termos de nutrientes. A verdade é que as cabeças não ficaram enormes, mas ficaram de tamanho razoável e bem saborosos.

Uma coisa que é bastante importante na altura de semear é a posição em que se coloca o dente de alho na terra: deve-se pôr sempre com o "bico" virado para cima. Isto pode determinar se o alho se desenvolve ou não.
Os alhos (bem como o cebolo) gostam de cinza, por isso, ao semear e depois, sempre que possível, polvilhar a terra com a mesma. É ideal para quem tiver lareiras ou fogões a lenha, pode assim livrar-se da mesma e as culturas agradecem.

No final do tempo de gestação da planta, por aqui tem-se o hábito de atar as folhas num nó cego. Dizem os mais velhos que ajuda a criar um bolbo maior, pois como não podem crescer para cima, crescem em baixo. Atenção que não confirmo a veracidade desta última dica. Da primeira vez a minha sogra fez isso, mas da segunda não deixámos ninguém mexer nos alhos e a verdade é que as cabeças dos dois anos ficaram mais ou menos do mesmo tamanho.
Mas nada como experimentarem, para ver se dá resultado com os vossos.

Espero ter conseguido esclarecer as dúvidas, fico muito contente por poder partilhar os conhecimentos que vou adquirindo. Este blogue não é só meu, é também de todos o que o visitam. E como este tipo de conhecimentos nem sempre é muito divulgado, espero que fiquem à vontade, tanto para colocar questões como para partilhar comigo informações e dicas.

Boa semana e boas culturas!

40 comentários:

Catarina disse...

Olá minha querida!!
Muito muito obrigada por este post tão instrutivo.
Como sabes aqui em casa temos horta, logo todas estas dicas são sempre muito bem vindas. Uma horta exige muito tempo e dedicação. Mas quando se semeia algo que depois se vê crescer, sente-se algo tão bonito que nos compensa por todo o trabalho que temos.
Beijinho enorme e boa semana🌿❤

Existe Sempre Um Lugar disse...

Bom dia, pelo que li, entendo que a Catarina está a ficar uma especialista na horta ecológica, semeia e colhe produtos naturais e saudáveis, nunca tive oportunidade de viver num vila ou aldeia, ambicione que algum dia consiga sair da cidade para desfrutar da calma sem horários e rotinas, fiquei e gostei de saber da técnica do prego.
Semana feliz,
AG

Bella disse...

Gostei muito das dicas.
Nas árvores de fruto não temos tido muito azar. Lá na terra, no quintal da casa temos laranjeiras do tempo do meu avó e ainda dão laranjas. O meu pai foi colocando árvores de fruta como limoeiro e tangerineiras e diospireiros e dão bastante frutinha.
Azar temos tido nas romãzeiras que só há poucos anos é que conseguimos apanhar romãs. Antes davam flor, e a flor caía toda.
O meu pai sempre foi adepto de químicos e tratamentos, mas agora há cerca de dois anos quando piorou do coração, deixou-se disso. Também as minhas primas deixaram-se de tratamentos químicos já há bastante tempo.

Dos alhos francês eu já conhecia a técnica de pôr mais terra com a minha sogra. Cebolas os meus pais conseguiam ter, mas alhos nada. A nossa terra é muito argilosa e pedrugulhenta.

BJs

nat. disse...

Mas que maravilha!
Obrigada!
Tenho lá em casa uns alhos "a crescer" e vou coloca-los na terra a ver como corre... Já tinha perguntado a várias pessoas... e ou não sabiam, ou não queriam dizer...
Seja como for, vou tratar do que anda lá por casa... depois logo partilho como correu :)

Beijinhos e boa semana!

Graça Pires disse...

Gostei de saber das preocupações com o ambiente. Gosto de ler as tuas dicas, embora não tenha terreno para cultivar, mas vou aprendendo pelo menos o que devo escolher para comer...
Uma boa semana.
Beijos.

Os olhares da Gracinha! disse...

Entendo-a e bem pois a mim aconteceu algo semelhante!
Estou a precisar de "castigar" o meu limoeiro!
Não tenho sorte com os alhos franceses pois a terra onde a minha mãe fazia a horta é demasiado "apertada"!!!
Levo as dicas!!!bj
https://ospetiscosdagracinha.blogspot.pt/

Lete disse...

E fazes muito bem, Catarina! Não há dinheiro que pague a qualidade do que comem, fruto do vosso sacrifício e do vosso empenho. Não tenho horta, mas adoro ver as tuas/vossas novidades. Força, beijinho muito grande!

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Muito bom este texto minha amiga e gostava que as nossas cidades seguissem os concelhos do Arq. Ribeiro Telles de fazer hortas nos centros das cidades para a população poder trabalhar a terra e ao mesmo tempo usufruir dos seus produtos.
Um abraço e continuação de boa semana.
Andarilhar

piteis da dinha disse...

Oi Catarina, bt!
Feliz daquele que pode ter um terreninho p/plantar e colher pelo menos alguns alimentos de seu consumo. Eu moro em apartamento, mas mesmo assim costumo ter sempre uma hortinha por perto. Parabéns!
Bjsss amiga

Konigvs disse...

Revejo-me nessa constante busca que ter criado um blogue de jardim/natureza permitiu. Descobre-se uma coisa, e depois outra, e uma leva a outra e aí por diante. É uma busca permanente e o blogue torna-se quase numa espécie de diário ou de roteiro da nossa viagem.

Essa do prego nunca tinha ouvido falar, mas conheço bem as histórias aqui na aldeia de darem umas valentes sovas nos pobres dos limoeiros para eles satisfazerem a ganância dos donos. Eu tenho um limoeiro, plantado em 2011, já dá imensos limões o ano todo, e os meus pais também têm o deles, com muitos anos, bem grande e que produz sacos e sacos de limões que dão a outras pessoas e nunca ninguém exerceu "violência doméstica" sobre as pobres árvores! Isso parece-me algo verdadeiramente medieval, sem sentido, sem falar que deixar o trono da árvore a enferrujar não lhe vai dar saúde nenhuma, bem pelo contrário vai durar menos anos. Eu já vi um limoeiro numa casa arrendada de uma amiga, cravado de arames de ramada, porque alguém inteligente quis moldar os ramos e esqueceu-se que os arames cegam, e o que aconteceu foi que o tronco envolveu os muitos arames, e posso-vos assegurar que dá pena olhar para o estado em que a árvore está. Se se quer forçar um ramo deve-se usar pneu ou borracha de câmara de ar para não ferir o ramo.
Acho que ser ecológico não pode estar só quando não usamos pesticidas, é também nas práticas que temos. Maltratar as árvores gratuitamente - como infelizmente se vê por exemplo com podas abusivas por parte das autarquias - não pode ser considerada uma boa prática.

Isa Sá disse...

Boas dicas.


Isabel Sá
Brilhos da Moda

Anónimo disse...

Cara Catarina, estou vendo que continua na sua aprendizagem, sem perder de vista seus objectivos.
Tenho a lhe dizer que comparando com meus conterrâneos do Norte de Portugal, seu limoeiro foi pouco castigado, tem só um preguinho no tronco! Mas terá sido o suficiente, vendo o resultado que deu.
Vou levar as dicas para o alho porro, que este ano já coloquei na horta. A minha senhora adora e um homem tem que agradar.
Tenha um bom fim de semana e pra sua família também.
Albano Rolando

CÉU disse...

Olá, Catarina!

Pois é! A vida dá mtas voltas, mas parece que voltamos, quase sempre, às origens. Foi o teu caso e em boa hora o fizeste.
És doutorada em questões de Ecologia e dás dicas preciosíssimas para os amantes destas coisas.

DESEJO-TE UM NATAL O MAIS ECOLÓGICO POSSÍVEL, COM PAZ, SAÚDE E AMOR E QUE 2017 SEJA UM ANO EXCELENTE.

Beijos e um abraço bem cordial.

Isabel disse...

revejo-me muito neste blog :) tal como dizias num comentário que deixaste uma vez no meu blog, temos um percurso semelhante, só que eu ainda me divido entre o campo e a cidade.
Obrigada pelas dicas, algumas não conhecia. Aqui fica também uma daquelas velhinhas =) semear o cebolo no minguante de Novembro, para que as cebolas não espiguem ... connosco funciona =)
Beijinhos

Eu e minhas plantinhas por Simone Felic disse...

Olá Catarina
Eu fico com a primeira opção de que ele produz por pensar estar sendo atacado, não sei ao certo. Eu nunca plantei alho, adoro na comida mas quase nunca posso colocar pois você sabe como é crianças, até meu marido torce o nariz, a dois dias tive um forte gripe que consegui curar com alho, comi dois dentes puros com água, não é muito agradavel deste jeito, mas funcionou.
Bjs e boas festas nos vemos no insta.

Arroz Di Leite disse...

Oi Catarina,

sabe que ao ler este post me instigou a querer a plantar, mas leva tempo, tempo.
Do lado de casa tem um terreno que meus pais sempre cuidaram, tem pés de banana (delicia) sem agrotóxico, acerola, mandioca e um pé de limão cravo, estes ainda não estão maduros, mas não vejo a hora deles estarem no ponto para a colheita.
E assim vai, aqui com certeza vou aprender muito com você.
Bjs

Tânia Camargo

Andreia Morais disse...

Excelentes dicas! Adorei a publicação *.*

r: Muito obrigada!

Graça Pires disse...

Um Natal BOM e um Ano Novo MELHOR.
Beijos.

Os olhares da Gracinha! disse...

Festas felizes e harmoniosas!!!

Anajá Schmitz disse...

OLá
quero te desejar um feliz natal e novo ano cheio de alegrias.
Bjos e até 2017.

Existe Sempre Um Lugar disse...

Votos de Feliz Natal em Família,
AG

Os olhares da Gracinha! disse...

Um fim de semana repleto de paz natalícia ... condimentado com muito Amor familiar ... muitos sorrisos e excelentes partilhas!!!

E ao "bater das doze badaladas" que seu coração se encha de ESPERANÇA em concretização se sonhos e projetos!!!

Um beijo da amiga Gracinha!!!

Mena Almeida disse...

Vê se que adoras plantar e colher e digo te, deve ser maravilhoso sim, comer o que nos plantamos.
Nunca tive essa experiencia mas gostava ;)

Beijinhos Catarina Feliz Natal.

Elisabete disse...

Excelente 2017 repleto de alegrias!
Bjs

Carla Ramalho disse...

Realmente plantar o que comemos é tão bom mas também dá trabalho e requer algum conhecimento para conseguirmos tirar o melhor partido de tudo. Muito obrigado por todas as dicas e vou ver se na próxima plantação terei uns alhos franceses decentes ;) Em relação ao limoeiro também já tinha ouvido falar nessas dicas mas felizmente o meu nunca se portou mal, muito pelo contrário.
Feliz ano novo :)

PINTA ROXA disse...

Não gosto de campo, já não é segredo nenhum, mas gosto de ler e saber sobre cultivo.
No quintal da mãe há uma laranjeira enxertada de limoeiro, metade dá laranjas e aquele tronco que acabou por crescer e se incorporar na árvore dá limões, daqueles grandes e cascudos, mas dá, agora essa dica de castigar as árvores nunca tinha ouvido falar.
Desejo um bom ano cheio de colheitas boas.
Pinta

PAULO TAMBURRO. disse...




Chego até você através do da JANICCE do BLOG CASA DE MADEIRA e peço licença para ao entrar aqui convidar para conhecer um dos meus blogs:HUMOR EM TEXTOS!

FELIZ 2017 com muita saúde , paz e ...amor, pois afinal ninguém é de ferro!

Um abração carioca.

CÉU disse...

Olá, Catarina!

Estás bem? Tenho-te estranhado. Diz alguma coisa, se te for possível. Bem, vou pensar k andaste de volta da tua horta biológica.

FELIZ ANO NOVO, COM SAÚDE, SOBRETUDO.

Beijinhos e dias de muita paz.

Gracita disse...

Querida Catarina
O ano está se despedindo e levando com ele um pedaço da história de cada um de nós. Em suas páginas deixamos registrados os bons momentos que vivemos, outros nem tanto. Hoje venho agradecer a sua doce companhia e reiterar meu desejo de caminharmos juntos no próximo ano.
Que o ano de 2017 seja um manancial de vitórias e conquistas
Desejo que tudo o que há de melhor esteja reservado para você
Beijos

PAULO TAMBURRO. disse...


Cheguei até aqui através do blog da JANICCE,CASA DE MADEIRA e ao desejar-lhe um feliz 2017, aproveito para dizer que alguma coisa me diz que este ano vamos precisar de muito HUMOR, para aguentar tudo que vem por aí.

Minha modesta contribuição é um dos meus blogs, HUMOR EM TEXTO, se quiser dar uma olhada, agradeço.

Um abração carioca.

O meu pensamento viaja disse...

Feliz 2017, querida Catarina.
Beijinhos

Maria Limão disse...

Adoraria poder vir a ter uma pequena horta! Espero que esse sonho se concretize, será sinal de que deixei de viver num apartamento ;) Excelentes dicas!

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Passei para desejar à minha a miga e sua família um abraço e Bom Ano de 2017.
Andarilhar

Bella disse...

Olá Catarina

Desejo-te um ano de 2017 cheio de benções mas sobretudo cheio da presença de Deus.

Bjs

helena disse...

Feliz ano novo e bons cultivos.

Eri Sunny disse...

Love the scent of lemons)
I`m following ur blog with a great pleasure via GFC
Please join me
Sunny Eri: beauty experience

Existe Sempre Um Lugar disse...

Feliz 2017,
AG

Bela Dina disse...

Um dia tb vou ter uma hortinha, numa casa de campo! É um sonho que tenho já desde miúda. :) Por enquanto vou-me contentando com dois ou três vasos de flores numa varanda. :)
beijinho

O meu pensamento viaja disse...

Catarina, adorei os teus esclarecimentos - vou já pregar um prego no tronco dos limoeiros.
Beijinhos

heloisa de mesquita inoue disse...

Gostei muito do seu post! Amei a sua visita! Acho que o mundo dos blogs está começando a ficar animado novamente! Beijos!