sábado, 7 de janeiro de 2017

Bem-Vindo 2017 e os Livros do Ano

Terminou mais um ano e outro já começou.
Muitas coisas importantes aconteceram e outras nem por isso.
Mudámos a horta de local e já há planos para torná-la cada vez mais sustentável, biológica e em perfeita comunhão com as leis da Natureza. E isto, neste momento, desempenha um papel muito importante no meu caminho.
Foi também o ano em que as alterações climáticas se fizeram sentir verdadeiramente. Eu senti-as! Estações trocadas, Verão imensamente quente, Primavera e Outono praticamente inexistentes e a sensação que as pessoas ainda não se aperceberam do real perigo que tudo isto traz, para a vida dos humanos como a conhecemos.
Consegui consolidar o meu armário e agora já tenho a base para durante muito tempo não me preocupar com ele.
Cada vez mais sei como quero (ou devo) viver a minha vida e foi no ano de 2016, com todas as experiências que tive, as boas e as menos boas, que me levaram a esse caminho.
E muito mais.

Uma das decisões que tomei no ano anterior (e que é para continuar) é de ler os livros que já tenho, alguns até há bastante tempo, e que por alguma razão ainda não li. Da lista de 2016, apenas o último é novo, (embora não seja meu). Todos os outros já habitam as bibliotecas pessoais da família (minha e dele, dos meus pais e dos meus sogros) há algum tempo.
A razão principal desta decisão foi porque cheguei à conclusão que já tinha à minha disposição muitos, tantos, bastantes livros, de vários géneros e autores diferentes. Porquê gastar mais dinheiro e acumular mais, se ainda tenho tanta página que folhear, tanto livro para ler, tanta folha para marcar?

Uma vida mais simples também passa por isto, por tomar este tipo de decisões. 
Sim, eu posso comprar um livro onde o autor ou a autora me conta como simplificou a sua vida e tirar ideias para aplicar ao meu dia-a-dia. Claro que sim.
Mas também posso ir buscar um livro à estante dos meus sogros, que está a apanhar pó há anos (acho que até fui a primeira pessoa a lê-lo...), vencedor de um Pulitzer e que me surpreendeu de uma forma tão maravilhosa, que me inspirou ainda mais a ser uma pessoa melhor.
O livro é "Não Matem a Cotovia" e se não tivesse tomado a decisão de ler os livros mais antigos, este possivelmente seria um daqueles que não compraria. E era eu que perderia, oh se perderia.

Alguns dos livros que li em 2016
Esta é a lista de livros que li em 2016:

Agatha Christie: "Poirot Investiga"
                           "As 4 Potências do Mal"
Harper Lee - "Não Matem a Cotovia"
Júlio Dinis - "Uma Família Inglesa"
Sarah Beirão - "Surpresa Bendita"
Érico Veríssimo - "Ana Terra"
Irving Wallace - "A Vigésima Sétima Mulher"
Liev Tolstói - "A Manhã de um Senhor (contos)"
John Le Carré - "O Fiel Jardineiro"
Alves Redol - "Avieiros"
Eça de Queirós - "A Cidade e as Serras"
Núria Masot - "A Sombra do Templário"
Mark Williams e Danny Penman - "Mindfulness"

Há livros que é preciso estar na altura certa da vida para os ler. Seja pela linguagem, pela história ou ensinamentos, há livros que é preciso ter tido certas experiências ou lido outros, para serem compreendidos e até gostados. Foi o que me aconteceu no livro do Eça, "A Cidade e as Serras". Já tinha iniciado a sua leitura na adolescência, mas avancei pouco e logo o pus de parte. Agora, consegui compreendê-lo melhor e não me aborreci tanto com as intermináveis descrições do autor.

E vice-versa: tenho livros que já li há algum tempo, que na altura adorei, e que agora, por alguma razão, ao relê-los não me causam o mesmo sentimento. Este ano aconteceu-me isso com "Avieiros" do mestre do neo-realismo português, Alves Redol. Quando o li a primeira vez, fascinou-me a sua crueza e admirei-me com dureza das vidas retratadas. Era uma jovem adulta e a vida corria-me sem sobressaltos. Mas agora desesperou-me e sofri muito com as suas personagens, apesar de ser um excelente livro.


Este também foi o ano em que fiz o curso de 8 semanas de Atenção Plena, guiada pelo livro de Mark Williams e Danny Penman - "Mindfulness". 
Já há bastante tempo que andava à procura de informações sobre Mindfulness/Atenção Plena, principalmente como poderia aplicar à minha vida e assim viver a vida de uma forma plena, mais verdadeira e com menos (muito menos) stress e ansiedade.
Encontrei a resposta à minha procura neste livro, que aconselho a todos. E não sou só eu que aconselho, pois é aconselhado pelo Sistema Nacional de Saúde Britânico como tratamento eficaz da ansiedade e depressão, sem medicação.
Mas sobre isto falarei noutra altura :)

Agora, uma nova lista já se está a formar, tendo à cabeça um livro de Paul Auster.

Que 2017 traga muitos sucessos, muita saúde, muita compaixão pela Natureza e pelos Homens, muito conhecimento, amizades e felicidade.

Bom Ano!

17 comentários:

Lete disse...

Dizes tudo de uma forma simples e assertiva, Catarina! Concordo plenamente, para que comprar se podemos pedir emprestado ou ler o que já temos? :) No meu caso, ainda posso requisitar na biblioteca municipal ou escolar.
Também me preocupam e muito estas alterações climáticas, este inverno que mais não é do que uma primavera, já me traz alguma ansiedade... :(
Se posso fazer alguma coisa? Claro que sim. Em primeiro lugar sensibilizar os meus alunos para estas problemáticas da preservação da natureza, em segundo optando por uma vida menos consumista, menos dependente energeticamente, com menos desperdícios e com menos resíduos. Só ainda não consegui conciliar muito bem a minha veia minimalista com a vontade de criar, ou seja com o consumo de tecidos e afins. Mesmo assim, sou contida e aproveito todos os restinhos (lãs ou paninhos) para novos projetos. :)
Quanto aos livros, gosto muito do Eça e engraçado que o ano passado também reli os Maias (que não tinha gostado no tempo de estudante) e li a Cidade e as Serras e é claro que adorei, principalmente os Maias.
Obrigada, Catarina, por este doce e consciente momento! :)

Gracita disse...

Querida Catarina
Você tem um acervo literário admirável
E pelas leituras que fez só ganhou agregando novos saberes e novas experiências. O livro que nos aconselha ainda não li e claro que pretendo seguir a dica
Um ano feliz e pleno de vitórias e conquistas com muito amor
Beijos

Isabel disse...

Olá Catarina,
Já conclui-mos que temos um percurso parecido e este post vem uma vez mais confirmar. Quanto aos livros, estou neste momento a ler o Don Tranquilo que já devo ter há cerca de 20 anos e nunca tinha lido, ainda tem o preço marcado e custou 1000$00 =) Também vou muitas vezes à biblioteca com os meus filhos e recentemente descobri os livros em 2ª mão que no olx e outros sites parecidos custam uma fracção do preço. Estão novos! Quanto À vida mais simples, cada vez mais acredito que preciso de menos para viver feliz. Que a saúde não nos falte, digo muita vez, os carros, as roupas e as férias caras, são apenas uma forma de a sociedade nos classificar, mas quem precisa de afirmação da sociedade de se sentir seguro do seu valor? =) Por isso vamos avançando no nosso percurso cada vez mais felizes e cada vez com menos necessidades. No entanto, nem tudo é perfeito, mas vou seguir o teu conselho e ler o livro Mindfulness. Quanto ao livro "Não Matem a Cotovia" é maravilhoso, já o li duas vezes.
beijinhos

Andreia Morais disse...

Adoro ler e comprar os meus livros, mas também acho que devemos dar oportunidade aos livros que já temos. Além disso, concordo com o facto de não estarmos preparados para ler determinados livros em determinadas idades, porque ainda não temos maturidade suficiente para os compreendermos.

Espero que tenhas um ano maravilhoso!

Mena Almeida disse...

Sabes uma coisa? adoro a tua forma de vida e sem ser por mal, até te invejo, pois tens nas mãos tudo o que se pode desejar, uma vida no campo, uma horta, eram coisas que eu adorava ter, não me interpretes mas Catarina, pois eu fico feliz por ver pessoas a cuidarem das terras e terem essa possibilidade. Sabes eu nunca vivi na aldeia, mas sempre gostei, quando o meu avô era vivo, ir à aldeia e andar por lá, ver as coisas que ele tirava da terra o ar que se respirava por lá, a paz, tudo isso desejos que eu gostava. Mas por outro lado sinto que não seria completamente feliz a viver numa aldeia, pois também gosto de ter tudo ao pé, um pouco confuso, eu sei, mas gostava de poder ter as duas. Fico no entanto feliz por ti :) Quanto às leituras, isso também faço, embora pouco, ando a ler Viver depois De Ti já há tempo.
Feliz domingo Catarina
Beijinho

Isilda disse...

É verdade que cada livro tem o momento certo para ser lido! Tive a sorte de só ter lido em adulta uma obra-prima da literatura portuguesa, Os Maias, que não sei se teria apreciado na adolescência, pois as longas descrições, de que tanto gostei, não pactuam com "o tudo tem de ser rápido e já" próprio dessa fase.
Votos de um 2017 repleto de boas leituras!
Beijinho

Elisabete disse...

Todos os dias à noite leio.
Boas leituras para este ano.
Bjs

Isabel disse...

Neste momento estou a ler um livro, Don Tranquilo, que já andava cá em casa há muitos, muitos anos, e nunca tinha lido, ainda tem o preço e custou 1000$00 imagina =)
Tenho ido muito à biblioteca municipal, já comprei alguns livros no olx, por uma fracção do preço. Nós portugueses, temos muito o complexo do em 2ª mão, mas os livros estão novos e é um habito muito comum noutros países.
Quanto à vida simples, já eliminei muita coisa na minha vida e nem por isso sou mais infeliz, cada vez mais, preciso de menos "coisas" para viver uma vida com dignidade e profundidade.
Fico feliz pela tua horta, pois a minha, que partilho com os meus pais que têm opiniões diferentes da minha, não há nada a fazer =) talvez um dia tenha uma só minha !
Beijinhos e sucessos para 2017

Graça Pires disse...

E uma decisão muito interessante essa de reler livros já lidos. A mim também me acontece gostar mais ou menos de alguns. É a nossa maturidade a "falar"...
Mas, confesso, que há livros que me deslumbram sempre.
Uma boa semana.
Beijos.

Catarina disse...

Minha querida que bom que é ler as tuas palavras e sentir a tua harmonia com a tua vida. Melhor que escolher um caminho para nós, só mesmo quando nos sentimos realmente felizes com essa escolha!
Beijinho enorme para ti, e que 2017 te traga muitas coisas boas, entre elas uma vida ainda mais sustentável, pois com ela também virá a saude!!!

Carla Ramalho disse...

Ando-me a portar mal em termos da leitura e este ano pouco li, confesso. Mas gostei da tua lista e pelo menos encontrei 2 livros que já li. Bom ano e muitas leituras :)
Beijinhos ...
Blog: Guloso qb

Horticasa hoticasa disse...

Ok! Tudo muito bem, então e as corridas, os trails, as caminhadas...? (brincadeirinha)
Adoro ler, este ano não li muito, com a mudança de vida há pouco espaço para ler e o diabo das novelas com a televisão no quarto não ajuda nada...
beijinho e boas leituras

Bella disse...

Olá Catarina

Cá em casa também temos muitos livros que ainda não lemos completamente. Mas os nossos livros são mais técnicos e científicos da área da física, electrónica/informática e matemática. O meu marido como trabalha com programação e electrónica tem livros que dava para fazer uma feira bem grande :)

Quanto a romances, contam-se pelos dedos. O Dom Quixote ainda está por ler, coitado! Depois temos as bandas desenhadas que penso que já as lemos todas e mais do que uma vez :D

E depois há as leituras das receitas e gráficos de croché que ocupam os meus tempos livres :D

Bjs



Prata da casa disse...

Nunca estou sem ler um livro. A verdade é que tenho tantos que, muitas vezes, volto a lê-los por já não me lembrar do enredo.Li há tempos " A cidade e as serras" ( o meu livro é igualzinho a esse que mostras)e achei uma delícia! A escrita de Eça de Queirós é sempre incomparável!
Neste momento estou a (re)ler "O lago dos sonhos" de Julliet Marillier, que é uma das minhas autoras favoritas de literatura fantástica.
Bjn e feliz 2017
Márcia

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Da lista só ainda li a Cidade e as Serras que é um livro espectacular e muito actual.
Um abraço e boa semana.
Andarilhar

Sandra Oliveira disse...

Como é bom passar cá e ler estas palavras, estas palavras sábias e que fazem bem :)
Eu há dois anos quando fiz a minha primeira destralhagem em casa, também fiz nos livros e tomei essa decisão, ler o que já tinha, e também me aconteceu ler livros que já tinha tentado ler noutras alturas e não consegui e agora disseram-me tanto, mas tanto minha linda... E na altura fiz o mesmo comentário, até os livros têm alturas para nós os lermos e aprendermos alguma coisa ;)
É giro, esta sintonia ;)
Vou ter de comprar esse :D Mindfulness :)
Beijinhos grandes e obrigada por esta partilha :)

As Mulheres 4estacoes disse...

Eu também adoro ler, mas o ano que passou li menos do que gostaria. Realmente alguns livros precisam do momento certo para serem lidos e compreendidos e dependendo do nosso estado de espírito nos tocam mais ou menos.
Desejo que tenha um ano iluminado.
Um abraço,
Sônia